Investir na Suíça: Porque investir?

Investir é algo que poucas pessoas fazem. Eu próprio comecei a fazê-lo demasiado tarde. Para além disso, começar a investir pode ser intimidatório para algumas pessoas.

Mas investir não é tão complicado quanto a maioria das pessoas pensa. Embora possa ser intimidatório, é algo que todos podem fazer. Mas acima de tudo, não deve investir sem fazer a sua própria pesquisa.

Espero que esta série seja interessante e que motive algumas pessoas a começar a investir.

Um aviso antes de começar a ler: eu não sou consultor financeiro ou investidor profissional. Este artigo é apenas um resumo sobre o que aprendi sobre investir e investimentos com a minha experiência e pesquisa.

O que é investir?

O que significa investir? A ideia é muito simples. É alocar algum dinheiro (ou outro recurso, como tempo) na esperança de obter algum benefício no futuro.

Investir é um assunto complexo. Pode investir em educação na esperança de aumentar o seu salário no futuro. Pode passar mais tempo no seu jardim na esperança de obter vegetais e frutas no futuro. Muitas coisas que faz actualmente podem ser consideradas um investimento.

Seria impossível cobrir todas as formas de investir num artigo, por isso, temos de nos focar em algo mais concreto. Neste artigo o foco será em investimentos financeiros. A ideia é alocar tempo (ou outro recurso) na esperança de ganhar mais dinheiro no futuro.

Por que investir?

Mesmo que ainda não saiba, já está a investir.

Por ter o seu dinheiro numa conta bancária, investiu dinheiro no seu banco. Pode ter apenas “investido” num deposito à prazo ou conta à ordem, mas é um início. Provavelmente não é a melhor forma de investir mas é bem melhor do que ter o dinheiro por baixo do colchão!

Um motivo para investir (para além da sua conta bancária) é ampliar a gama dos seus investimentos. Seguir o ditado “não colocar os ovos todos no mesmo cesto”! Mesmo que o seu dinheiro esteja na sua conta bancária pode sofrer com a inflação. Na maioria dos países, a taxa de juros das contas bancárias/depósitos à prazo é menor que a inflação. Isto significa que a cada ano que passa o seu dinheiro pode comprar menos e menos. A inflação é algo essencial a considerar quando investimos.

Outro motivo para investir é garantir a sua segurança financeira e o seu futuro, em particular a sua reforma.

Investir em activos físicos

O primeiro investimento financeiro é em activos físicos. Activos físicos são investimentos que mantêm ou aumentam o seu valor. Por exemplo, o ouro pode ser um bom investimento tendo sido considerado um activo de reserva de valor ao longo dos séculos. Para além do ouro, existem outros metais preciosos, como a prata ou a platina, com um histórico similar.

No entanto, eles também não são totalmente seguros visto que o seu valor pode diminuir rapidamente. As obras de arte e alguns artigos de coleccionador podem também ter e, aumentar de valor ao longo do tempo.
É importante notar que estes activos acarretam alguns riscos. Se os guarda em sua casa corre o risco de destruição ou roubo. Pessoalmente eu não invisto neste tipo de activos e recomendo ter cuidado se decidir investir neles.

Alguns activos físicos são péssimos investimentos. Por exemplo, o seu carro não é um investimento. Um carro deprecia extremamente rápido (isto é, perde valor a medida que o tempo passa e é usado). Até algo como jóias depreciam. É muito difícil vender jóias por um preço superior ao das matérias primas que as constituem.
A maioria das coisas que compra, depreciam muito rápido. Como tal, não devem ser considerados investimentos mas sim despesas.

O investimento mais significativo em activos físicos é o imobiliário.
Vou dizer algo controverso especialmente para os portugueses que tradicionalmente privilegiam o investimento imobiliário e compra da casa própria: a sua casa própria provavelmente não é um bom investimento.
Porque? Não cobra renda a quem mora na casa, dependendo da zona onde a casa está pode não valorizar muito, existem custos elevados para comprar e vender e existem custos de manutenção. Portanto, na minha opinião, a sua casa própria não pode ser considerada um investimento.

Com isto não quero dizer que seja sempre uma má ideia comprar uma casa. É possível, com a compra de uma casa poupar dinheiro face ao que se gastaria em renda. Algo que recomendaria seria considerar todos os custos, especialmente o custo de oportunidade de bloquear o pagamento da entrada. Apesar de toda a gente dizer para comprar uma casa assim que possível, é necessário fazer as contas para ter a certeza que é a melhor opção para a sua situação actual.

Outro tipo de investimento imobiliário é investir em imóveis para colocar a arrendar. Neste caso, estaria a comprar uma casa para colocar a arrendar e receber a renda todos os meses. Esta renda é o que atrai a maioria dos investidores para o imobiliário. Muitas pessoas consideram esta renda passiva, no entanto, temos de ter em conta que teremos de encontrar inquilinos, tratar da manutenção e no caso da casa ficar por arrendar ainda temos a responsabilidade de pegar a prestação do crédito que fizemos para investir.

Investimento imobiliário é algo que me interessa, especialmente como uma ferramenta de diversificar o meu portefólio. O meu objectivo seria comprar imóveis em Portugal mas para já e tendo em conta a situação actual com a pandemia e o fim das moratórias, vou aguardar para o fazer.

Investir em produtos financeiros

Produtos (instrumentos) financeiros é o que vamos focar nesta série de artigos.

O meu foco principal é investir em produtos financeiros. Existem muitos produtos financeiros: por exemplo, acções, fundos de investimento, futuros, opções, etc. Para ter acesso a estes produtos é necessário usar uma corretora. Felizmente não é necessário conhecer todos os produtos financeiros para começar a investir, mas é recomendado aprender sobre acções e fundos de investimento. Por isso nos próximos artigos da série, irei focar-me nestes em mais detalhe.

É normal demorar algum tempo para aprender sobre estes instrumentos mas é fundamental conhecê-los se quiser investir. Não é necessário saber tudo sobre eles mas um bom conhecimento sobre estes irá fazer com que se sinta mais confiante nos seus investimentos. Vou tentar falar com maior detalhe sobre estes produtos financeiros nos próximos artigos.

Investir na Suíça: Investimento em Índices

Índices

Agora, resta a questão da escolha do índice em que investir.
Isso é algo que eu não posso decidir por si. Mas posso dar alguma informação sobre índices para ajudar a sua tomada de decisão.

Da mesma forma que existem muitos fundos ativos, também existem muitos índices. Alguns são baseados em países e outros baseados no tamanho das empresas. Como o investimento em índices é bastante popular, agora existem muitos índices no mercado de acções.

Aqui estão alguns exemplos de índices populares:

O Dow Jones Industrial Average (DJIA), ou Dow, é um dos índices mais antigos e mais famoso: Ele contém 30 grandes empresas dos Estados Unidos.
O índice S&P 500 é o índice das 500 maiores empresas dos Estados Unidos.
O índice Russell 3000 é o índice das 3000 maiores empresas dos EUA. Estas empresas representam cerca de 98% do mercado dos Estados Unidos.

Quando digo as maiores empresas, estou a falar sobre capitalização de mercado. A capitalização de mercado de uma empresa é o valor de todas as ações da empresa. Atualmente, a Apple é a empresa com maior capitalização do mundo.

Por fim, também existem índices que cobrem o mundo inteiro, como o FTSE Global All Cap Index, que inclui todas as ações do mundo.

Ao escolher um fundo de investimento passivo, deve escolher o índice que deseja seguir. Vai notar que existem vários fundos de investimento para cada índice. Visto que, todos investem nas mesmas acoes, a melhor opção é escolher o que tiver custos mais reduzidos. Outro factor a ter em conta é o tamanho do fundo: pessoalmente prefiro investir no fundo de maior dimensão disponível.

Conclusão

A maior parte do meu portfólio segue o Índice FTSE Global All Cap. Isto significa que eu estou a investir em todas as empresas cotadas em bolsa do mundo. Num artigo futuro irei mostrar o meu portfólio.

O que fazer no caso do seu banco não oferecer bons fundos de investimento?
A solução é investir em fundos negociados em bolsa (ETFs). Este será o tópico do nosso próximo artigo.

Investir na Suíça: Fundos de Investimento

Nos artigos anteriores da série Investir, aprofundamos o nosso conhecimento sobre Dinheiro, Obrigações e Acções. Estes são os instrumentos de investimento financeiro básicos, tendo cada um as suas vantagens. As obrigações são mais estáveis mas geralmente tem rentabilidades mais baixas. As acções são mais voláteis mas, historicamente tiveram rentabilidades mais altas do que as obrigações.

Num portfólio equilibrado, vai precisar de ter os dois.
No entanto, escolher acções e obrigações dá bastante trabalho e requer muito conhecimento e tempo. Felizmente existe uma alternativa melhor: Fundos de investimento.

Os fundos de investimento escolhem ações e obrigações por si. Em vez de investir numa única acção (por exemplo na EDP ou Galp), pode investir num fundo de investimento onde terá várias acções ou obrigações.

Neste artigo vamos abordar os fundos de investimento em detalhe, perceber o que é importante ao escolher entre fundos de investimento e, por fim, vamos abordar um assunto essencial: o investimento passivo.

Fundos de Investimento

Um fundo de investimento investe num conjunto de acções, obrigações ou ambos, sendo gerido por um ou mais gestores de fundos. Ao comprar uma parte de fundo, vai passar a ser dono de uma parte de tudo o que o fundo possui.

O desempenho de um fundo é igual ao desempenho dos instrumentos financeiros que tem. Se o conjunto de ações tiver um bom desempenho, o fundo terá um bom desempenho. No entanto, se o conjunto de ações tiver um mau desempenho, o fundo terá um mau desempenho.

O foco deste artigo será em fundos de acções e obrigações. Existem para além destes, fundos que investem em metais preciosos, moedas, imóveis e até trigo.

Relativamente a fundos de acções e obrigações, existem fundos que investem 100% em ações e fundos que investem 100% em obrigações. Existem também fundos que investem em ambos com percentagens diferentes.

Como investir em fundos de investimento?

Existem várias instituições financeiras que oferecem a possibilidade de investir em fundos de investimento.
É provável que o seu banco atual tenha uma grande oferta de fundos de investimento porque cada grande banco na Suíça tem a sua oferta de fundos de investimento. Pode perguntar ao seu gestor de conta sobre a oferta que eles tem e de certeza que receberá algumas sugestões sobre onde investir. Alguns bancos oferecem também acesso a fundos de diferentes instituições financeiras

Existem também empresas que se focam apenas em investimento como a Vanguard e a Blackrock que também oferecem acesso a fundos de investimento. Estas duas instituições não são banco mas administram uma quantia elevada de dinheiro nos seus fundos de investimento.

De modo geral, os fundos de investimento são vendidos e comprados uma vez por dia pelo que, terá que aguardar um dia antes de poder comprar ou vender a sua participação no fundo.

Como escolher um fundo de investimento?

Existem vários fatores importantes na escolha de um fundo de investimento.
Em primeiro lugar existem dois tipo de fundos: fundos geridos ativamente e fundos geridos passivamente

Os fundos geridos ativamente são os fundos mais comuns e os que tem o maior numero de investidores. Um dos fatores que mais contribui para isso é que normalmente os fundos de investimento oferecidos nos bancos são geridos activamente.

Fundos Ativos

Os fundos activos são geridos por um gestor de fundos.
São eles que decidem em quais ações investir. Para além disso eles decidem também quando comprar e vender. Os gestores de fundos tem algumas despesas, como por exemplo, publicidade para atrair o maior número de investidores possíveis. Adicionalmente, os gestores de fundos tem de ser pagos pelo seu trabalho. Tudo isto se traduz em custos. Custos que os investidores do fundo pagam!

O custo de um fundo de investimento é o Total Expense Ratio (TER). O TER é a percentagem total do seu investimento que paga a cada ano. Se o fundo de investimento em que investe tive uma TER de 2%, a cada ano, 2% do valor do fundo é perdido em taxas. Se o fundo tiver uma rentabilidade de 10% num ano, a sua rentabilidade real será de 8%.
O TER dos fundos ativos varia entre 1% e 3%. Existem fundos que cobram uma taxas ao investir, durante o seu investimento e quando pede o reembolso do seu investimento mas não vale a pena falarmos sobre esses fundos.

Os gestores de fundos justificam estes custos ao dizer que são inteligentes o suficiente para bater o mercado.
Para que um fundo ativo seja interessante, este precisa de bater o mercado por pelo menos o seu TER. E precisa de o fazer de forma consistente.

A realidade é que a maioria dos gestores de fundos não está a bater o mercado de forma consistente. A cada ano, apenas um em cada seis fundos está a bater o mercado. Faz sentido investir nestes fundos?
Na minha opiniao: Não. Porque não conseguem bater o mercado de uma forma consistente.

Os fundos de investimento ativos têm custos muito elevados e não estão a bater o mercado! O que deve fazer?

A solucão passa por evitar fundos de investimento activos. Ao investir nestes fundos estamos a pagar o segundo Ferrari ou a casa de férias do gestor do fundo.

O que deve fazer é investir em fundos com custos baixos. Há pouco referi dois tipos de fundos então, vamos falar sobre os fundos passivos.

Fundos Passivos

Existem dois problemas com os fundos ativos. Primeiro, eles têm um custo elevado por causa de todas as transações efectuadas pelos gerentes de fundos. Em segundo lugar, eles estão a tentar bater o mercado e a falhar de forma miserável.

E se, em vez de escolher as acções em que vai investi, um fundo investisse em todas as empresas do mercado? Isto é chamado investimento em índices. Um fundo passivo tem como objectivo ter a mesma rentabilidade do que o índice que pretende replicar. O índice mais famoso é o S&P500, este índice segue as 500 maiores empresas do mercado de acções dos Estados Unidos.

Ao investir numa acção de um fundo que segue o índice S&P500, está a investir em 500 empresas de uma só vez. Desta forma vai replicar o desempenho dessas 500 empresas.

A maior vantagem é que é muito mais barato. Apesar de ainda existirem gestores e custos de compra a venda, a maior parte é automatizada. Dessa forma, o investimento passivo resulta num custo menor. Em média, os fundos passivos um uma TER entre 0,05% e 0,3%. Estas TER são cerca de dez vezes menores do que os fundos ativos

Quando está a investir a longo prazo, é preciso ter muita atenção aos custos. Os custos dos seus investimentos podem ser muito mais caros do que imagina.

Conclusão

Espero que depois de ter lido este artigo, entenda que os fundos de investimento são uma excelente opção de investimento visto serem uma excelente ferramenta de diversificação. É uma opção mais fácil do que investir em ações por si.

Os fundos passivos são geralmente os com menor custos e contém um grande número de acções (ou obrigações). São o melhor instrumento para investir no mercado de ações.

Actualização – Maio 2021

Este é o segundo artigo da série de atualizações mensais. Para além de fazer um ponto de situação da minha situação financeira, vou também tentar adicionar dicas úteis que também possam usar.

Poupança

Neste mês apesar de uma diminuição da minha taxa de poupança, continuo acima dos 60%, o que é o meu objectivo principal.

Este mês a minha taxa de poupança diminui devido a uma viagem a Portugal e aos custos associados com isso (testes COVID, transportes para e do aeroporto) assim como uma prenda de casamento. Foi bom viajar outra vez mas mal posso esperar pelo certificado digital que vão emitir em finais de Junho para quem está vacinado para não ter de fazer mais nenhum teste PCR.

Por categorias, as despesas ficaram da seguinte forma:

Casa45%
Transporte1%
Comida15%
Saúde15%
Lazer9%
Prendas11%
Outros4%
Distribuição de despesas mensais

Investimento

A nivel de investimento tento manter as coisas simples.

Continuo a investir no meu pillar 3a na VIAC (sobre a qual pretendo escrever um artigo) de forma a atingir o máximo permitido legalmente: 6883 CHF.

Este mês invisti mais 500 CHF.


Para além disso, complemento o meu pillar 3a com investimento em ETFs: Pessoalmente eu invisto no Vanguard Total World Stock ETF (VT), um ETF que pretende ter o desempenho do Índice FTSE Global All Cap, que segue os mercados desenvolvidos e ainda em desenvolvimento.

Conclusão

Em suma, este mês trouxe uma melhoria a nível de poupança e os investimentos mantiveram-se ao mesmo ritmo.
Espero que tenham gostado deste artigo e que sigam o blog para ficarem a par das próximas actualizações!

Investir na Suíça: Obrigações

O segundo instrumento financeiro desta série que vamos falar são obrigações.

Embora todos tenham dinheiro, poucas pessoas têm obrigações.

Uma obrigação é uma dívida. Quando investe em obrigações, está essencialmente a emprestar uma certa quantia dinheiro a um governo ou empresa e em troca, eles estão a pagar um juro sobre o seu dinheiro.
Pode parecer-se com uma conta poupança mas a taxa de juro que os bancos oferecem em contas poupança é muito inferior à que conseguimos obter investindo em obrigações.

Uma obrigação funciona da seguinte forma: Empresta o seu dinheiro a um emissor (Governo ou empresa por exemplo) por um período determinado de anos, recebendo um juro (pago semestralmente ou anualmente) e no final da duração desse empréstimo a obrigação expira e recebe o dinheiro que investiu de volta.

Por que não investir obrigações?

Se é melhor do que uma conta bancária, por que nem toda a gente investe em obrigações?

Por duas razões:
Em primeiro lugar, não é tão conveniente como uma conta poupança. Para investir em obrigações necessitamos de uma corretora ou de um banco especializado que ofereça esse tipo de investimento. Caso queira investir em obrigações do Estado Português existe sempre a opção dos Certificados do Tesouro/Aforro disponíveis nos CTT.
Em segundo lugar porque existem riscos. Se o emissor da obrigação for à falência, à partida não irá receber o montante que investiu de volta. Existem emissores que são extremamente seguro, como por exemplo os títulos do tesouro do Governo dos Estados Unidos da América. A contrapartida é que a rentabilidade destas obrigações, não é nada de especial. Isto é, se procura uma rentabilidade superior, terá de assumir mais risco.

Historicamente, as obrigações da Suíça pagam 2%, no entanto neste momento, as obrigações são um investimento terrível, visto terem uma rentabilidade negativa. Isto significa, que a cada ano o seu dinheiro está a diminuir. É possível investir em obrigações de outros países, mas é preciso ter em atenção o risco cambial, isto é, o risco de que a moeda da obrigação em que investiu desvalorize ou valorize face ao franco suíço.

Para além das obrigações existe outra opção para investir em empresas: comprar ações das empresas em que pretendemos investir. Ao comprar e deter acções de uma empresa, nós somos donos parciais dessa empresa.

Investir na Suíça: Dinheiro

Nesta série de artigos, vou falar sobre os instrumentos financeiros mais importantes que pode usar para investir começando pelo dinheiro. Estes três instrumentos são bastantes diferentes uns dos outros, tendo cada um a sua importância e um lugar na sua carteira de investimento. Vamos então analisá-los com maior pormenor e falar sobre as vantagens e desvantagens de cada um.

Dinheiro

O dinheiro é um dos principais activos em que todos investem. Quando digo dinheiro, estou a referir-me ao dinheiro que está directamente disponível caso precise. Pode ser o dinheiro que está na sua carteira, na sua conta à ordem ou na sua conta poupança.

Se não tiver nenhum dinheiro disponível, não pode comprar nada. Não será capaz de lidar com emergências que surjam. Portanto, se não tem nenhum dinheiro de parte, o meu conselho seria para começar a acumular alguns meses de despesas em dinheiro. Este dinheiro chama-se fundo de emergência, um tópico que vou abordar mais para a frente.

Pessoalmente, eu tenho um fundo de emergência de três meses de despesas, um valor que pode ou não fazer sentido para si. Se o seu trabalho for muito estável, provavelmente não será preciso mais de três meses. Noutros casos, pode fazer sentido ter um fundo de emergência maior. A questão do fundo de emergência é algo bastante pessoal e das mais importantes a definir.

Como guardar dinheiro

A melhor opção para guardar dinheiro, certamente não é debaixo do colchão. A maior parte do seu dinheiro está provavelmente numa conta à ordem, poupança ou depósito a prazo.

As contas poupança geralmente pagam alguns juros, no entanto fica com o seu dinheiro bloqueado durante algum tempo. Sendo assim, sugiro que tenha pelo menos um mês de despesas na sua conta à ordem, para que caso haja algum imprevisto com o pagamento do seu salário, isso não ser o fim do mundo mas sim, um pequeno inconveniente.

No entanto, há um grande problema com contas à ordem e contas poupança: inflação.

Inflação

A inflação é o aumento dos preços de bens e serviços.

Desde a década de 1950, a inflação foi quase sempre positiva, isto quer dizer que, a cada ano que passa, o preço médio de bens e serviços está a aumentar.

Um exemplo prático de inflação: O preço de 2l de leite no Migros aumentou de 2 CHF para 2,05 CHF. Isto representa uma taxa de inflação de 2,5%. Se este aumento se mantiver ao longo dos anos, quer dizer que, com os mesmos 10 francos vamos conseguir comprar cada vez menos leite. Em 10 anos, os nossos 10 francos passaram de comprar 10l de leite, para comprarem apenas 8l de leite.

A inflação varia de país para país: na Suíça, nos últimos 20 anos, a inflação tem sido bastante baixa, tendo ultrapassado a barreira dos 2% uma vez.
Nos Estados Unidos a inflação tem sido maior, tendo em vários anos ultrapassado os 3%

Investir e inflação

O que tem a inflação a ver com investir?

A inflação aumenta os preços de bens e serviços. Isto significa que, a cada ano que passa com inflação positiva, o seu dinheiro compra menos do que no ano anterior. Dito de outra forma, a inflação está a reduzir o valor do seu dinheiro.

Todos os anos, o seu dinheiro vale menos do que valia no ano anterior.
Posto isto, é muito importante perceber a inflação.

Na maior parte dos países, as taxas de juro são mais baixas do que a inflação. Se considerar-mos uma taxa de inflação média de 1%, tendo em conta que as taxas de juro na Suíça estão neste momento a rondar os 0,1%, isto significa que a cada ano que passa o seu dinheiro está a perder 0,9% do valor. Apesar desta perda não se reflectir na sua conta bancária, com o mesmo dinheiro, vai comprar 0,9% menos a cada ano que passa.

Este conceito é muito importante! Se a taxa de juro fosse maior do que a inflação, seria possível aumentar o seu poder de compra a cada ano mantendo o dinheiro numa conta poupança.
Há cerca de dez anos atrás, as taxas de juros eram superiores à inflação. Infelizmente, actualmente já não é o caso. Contas à ordem e contas poupança devem ser usadas para guardar o dinheiro que precisa, para o dia a dia e para o seu Fundo de Emergência. O resto deve ser investido para combater a inflação.

Como bater a inflação?

Como encontrar rentabilidades superiores à inflação?
Para bater a inflação, é preciso investir em obrigações ou acções.

Nos próximos artigos desta série iremos abordar estes dois instrumentos.

Investir na Suíça: Acções

Uma acção representa uma parte de uma empresa. Ao deter algumas acções de uma empresa, torna-se dono de uma pequena parte da empresa.

Existem várias vantagens nas acções.

Em primeiro lugar, se a empresa está num bom caminho, o preço das acções vai provavelmente aumentar, assim como o seu investimento.
Em segundo lugar, a maioria das empresas paga dividendos aos seus accionistas. Isto significa que, trimestralmente, vai receber uma parte dos lucros que a empresa tem, mediante o número de acções que tenha!
Em ultimo lugar, ao ter acções de uma empresa, passa a ser dono de uma pequena parte dela. Eventualmente ao possuir acções suficientes de uma empresa poderá até fazer parte das decisões da mesma!

Quão boas são as acções?

Serão as acções o melhor investimento?

É um bom investimento, mas não perfeito.
Embora o preço das acções esteja de forma geral, relacionado com a saúde financeira da mesma, ele também se baseia no mercado. O preço é determinado com base na oferta e procura: se muitas pessoas quiserem comprar uma acção específica, o preço aumentara. Para além disso, às vezes, até as acções de uma empresa muito saudável podem cair.

Historicamente, as acções tem tido rentabilidades de 8% ao ano. Nalguns anos a rentabilidade será superior e noutros anos pode perder uma parte do seu investimento. Até agora, no longo prazo, as acções tem sido um excelente investimento. Mas é preciso estar pronto para assumir alguns riscos e acima de tudo, não vender na primeira queda do mercado!

Como escolher acções?

Só ter acções de uma empresa é uma má ideia. Se essa empresa for a falência, vai perder tudo o que investiu. Se a empresa em que investiu não está a acompanhar os concorrentes, não está a beneficiar do mesmo crescimento.
A maioria dos especialistas recomendam ter no mínimo, acções de 20 empresas.

Escolher as empresas em que queremos investir é algo difícil. Porquê?
Porque temos de analisar todas as características financeira de uma empresa para tentar adivinhar o seu futuro. Qual é o valor da sua dívida? Qual é o potencial de crescimento? Como estão a evoluir as vendas? E as encomendas? Responder a estas perguntas não é fácil.

Mesmo tendo todas as informações financeiras sobre uma empresa. continua a não ser algo fácil. Algumas pessoas são muito boas a escolher empresas, como o Warren Buffet. Algumas pessoas são péssimas a escolher empresas e perdem muito dinheiro. Resumidamente, escolher apenas uma empresa para investir é como ir ao casino.

Diversificação no mercado de acções

Se quer investir no mercado de acções, é preciso investir em muitas empresas. Se possível investir em todas as empresas possíveis. A ideia é replicar o desempenho do mercado, ou seja, se o mercado valorizar, o seu investimento também vai valorizar. Como a grande maioria das pessoas não consegue bater consistentemente os retornos do mercado durante um longo período, a melhor situação que podemos ter, é obter os retornos do mercado.

Comprar uma acção de cada empresa no mercado de acções, não é algo fácil. Daria muito trabalho e teria custos de negociação muito elevados

No entanto, existe uma solução: em vez de comprar todas estas acções é possível investir através de um fundo de investimento. Um fundo de investimento é uma conjunto de acções e através dum fundo é possível deter uma parte de todas as acções de todas as empresas, em que o fundo investe.

No próximo artigo desta série, vamos falar sobre fundos de investimento. Pessoalmente é o instrumento que eu uso para investir.

Actualização – Abril 2021

Este será o primeiro artigo da série de atualizações mensais que vou passar a fazer. Para além de fazer um ponto de situação da minha situação financeira, vou também tentar adicionar dicas úteis que também possam usar.

Poupança

Neste mês houve uma melhoria significativa a nível de percentagem de poupança.

Em Janeiro e Fevereiro estive a preparar a minha mudança de apartamento e tive de comprar mobília nova o que levou a uma queda bastante significativa da taxa de poupança. Felizmente estou a conseguir regressar a um nível normal de poupança, mesmo tendo comprado viagens para Portugal e alguns bilhetes de comboio da SBB.

Por categorias, as despesas ficaram da seguinte forma:

Casa44%
Transporte20%
Comida18%
Saúde16%
Lazer2%
Prendas1%

Investimento

A nivel de investimento tento manter as coisas simples.

Continuo a investir no meu pillar 3a na VIAC (sobre a qual pretendo escrever um artigo) de forma a atingir o máximo permitido legalmente: 6883 CHF.


Para além disso, complemento o meu pillar 3a com investimento em ETFs: Pessoalmente eu invisto no Vanguard Total World Stock ETF (VT), um ETF que pretende ter o desempenho do Índice FTSE Global All Cap, que segue os mercados desenvolvidos e ainda em desenvolvimento.

Conclusão

Em suma, este mês trouxe uma melhoria a nível de poupança e os investimentos mantiveram-se ao mesmo ritmo.
Espero que tenham gostado deste artigo e que sigam o blog para ficarem a par das próximas actualizações!

Porquê poupar na Suíça?

Neste artigo vamos falar sobre porquê poupar na Suíça.

Na minha opiniao, a Suíça dá uma oportunidade a todos os que cá trabalham, de construírem um futuro melhor para si e para a sua familia.
Devido aos salários elevados, se conseguirmos cortar em algumas despesas, conseguimos poupar valores realmente fantásticos e que não seriam possíveis em Portugal.

Porquê poupar?

Um dos artigos que mudou a minha forma de pensar sobre poupar e investir foi o “The Shockingly Simple Math Behind Early Retirement” do Mr. Money Mustache. Em portugues o nome do artigo seria algo como “A matematicamente chocantemente simples por trás da reforma antecipada”.

Durante este artigo, o autor fala sobre a percentagem de poupança. O que é?
A percentagem de poupança é pura e simplesmente o dinheiro que depois de pagar todos os seus gastos do mês sobra. Para a maioria das pessoas não sobra dinheiro nenhum no final do mês, independentemente de quanto ganham. Para outras, falta dinheiro no final do mês e tem de recorrer a cartões de crédito ou empréstimos pessoais para financiar o seu estilo de vida.

Idealmente, deverá ter como objetivo com que haja alguma poupança no final do mês. Este espaço entre o seu salário e as suas despesas é o que vai permitir preparar o seu futuro.

De acordo com a Pordata, a taxa de poupança das famílias em Portugal foi de 7,3%. Mantendo essa taxa de poupança, assumindo uma taxa de retorno de 5% e retirando 4% do seu portfolio, essa familia demoraria 58 anos a conseguir viver dos investimentos. Isto significa que começando a trabalhar aos 20 anos, só se conseguiria reformar aos 78 anos. Estes números não parecem muito animadores.

E se aumentarmos a nossa taxa de poupança?
Vamos para um caso real. O salário médio na Suíça é de 6000 francos.
Assumindo, apartamento 1500 francos, transporte 300 francos, alimentação 300 francos, seguro de saúde 300 francos e mais 900 francos noutras despesas, chegamos a um custo mensal de 3000 francos. Neste caso e imaginando que conseguiamos poupar e investir esses 50% os números melhoram bastante:

Em 16 anos e meio, esta pessoa conseguiria viver através dos rendimentos que os seus investimentos geram!

O que o site Networthfy.com assume é que iremos manter o nível de despesas mensais inalterado quando deixarmos de trabalhar. A verdade é que, enquanto portugueses, temos a vantagem de poder trabalhar na Suíça onde o salário é muito mais elevado do que em Portugal e mudarmo-nos para Portugal quando deixarmos de trabalhar, usufruindo de um custo de vida mais reduzido.

Para possibilitar uma melhor visualização, alguém que invista 3.000 francos por mês ao final de 16 anos e 7 meses teria um total de 1 milhao de francos (906 mil euros ao cambio actual). De acordo com a regra dos 4%, em que um reformado pode retirar 4% do seu portfólio total para os gastos do dia, teria 3020€ brutos por mês. (Se assumir-mos 28% de impostos, o valor mensal baixa para 2175€).

Conclusão

Na suíça temos uma oportunidade de ouro para melhorarmos a nossa situação financeira e até deixar de trabalhar antes da idade da reforma.

Ao ler as primeiras vezes sobre estes temas, achei que algo tinha de estar errado porque nunca tinha ouvido falar sobre isto antes. Depois de fazer a minha própria pesquisa apercebi-me que o facto deste assunto não ser abordado é o resultado da falta da literacia financeira. E isso é algo que este blog pretende mudar.

Objectivos 2021

Neste artigo vou falar sobre os meus objectivos para 2021!
Apesar deste tipo de artigos ser mais comum no início do ano, como comecei o meu blog recentemente decidi partilhar os meus objectos para este ano para no final do ano poder refletir e perceber se consegui cumprir os meus objectivos ou nao!

Dividi os meus objectivos em três categorias: Financeiro, Trabalho e Pessoal.

Financeiro

  • Contribuir o máximo para o pillar 3a (6883 CHF)
  • Manter o meu nível de investimento actual durante o ano

Trabalho

  • Ser aumentado
  • Receber Bônus anual
  • Encontrar uma fonte adicional de rendimento e fazer 1000€ durante o ano

Pessoal

  • Aprender Alemão 200 dias (através do Duolingo)
  • Terminar o nível A1 de alemão
  • Ler 12 Livros
  • Mudar-me para uma casa nova
  • Encontrar um novo hobby
  • Fazer exercício 100 dias no ano
  • Voltar aos 76kg

De forma a tentar cumprir todos os objectivos vou fazer uma actualização a meio do ano e no final do ano e espero desta forma manter-me motivado para atingir os meus objectivos!